Parceira: Agência Parceira RGB Comunicação

14/07/2015

Preferência é por cães; pesquisa mostra, também, aumento da participação feminina

Da redação

Foto: Banco de imagens

Cerca de 70% dos donos de propriedades rurais no Brasil possuem animais de estimação. O dado é da mais recente pesquisa sobre os hábitos de donos de sítios e fazendas, feita pela Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio (ABMRA) e apresentada no último dia 31 de maio.

O levantamento, em sua sétima edição, definiu uma amostra de 2.835 agricultores em 15 estados. As entrevistas relevaram que os cachorros estão em 98% das áreas com presença de animais de estimação. Já os gatos estão em 31% das propriedades. E as aves em 2%. A soma dos percentuais ultrapassa 100% porque, em muitos casos, as propriedades têm mais de um tipo de animal.

Quando questionados sobre a média de bichos que criam, os que têm aves responderam cinco. Já os donos de cães e gatos têm quatro de cada um.  

A pesquisa apurou, também, a idade média dos produtores rurais, que é de 46,5 anos – 3,1% menos que o estudo anterior, divulgado em 2013. E 21% têm curso superior – os mais comuns são agronomia (42%), veterinária (9%) e administração de empresas (7%).

Mulheres

Em relação a 2013, aumentou a participação das mulheres nos empreendimentos rurais. A presença feminina nas funções de decisão saltou de 10% há quatro anos para 31% agora em 2017.

“O agronegócio brasileiro tem uma tremenda capacidade de se reinventar, fortalecendo sua estrutura básica e apresentando sempre segmentos e técnicas novas. Nesse sentido, a Pesquisa ABMRA mostra os avanços e mudanças no perfil dos produtores rurais, a adoção de novas tecnologias e as relações e o envolvimento de quem comanda o campo com as novas formas de comunicação disponíveis”, explica Ricardo Nicodemos, diretor de Pesquisas da ABMRA.

Mais informações sobre a pesquisa podem ser obtidas no site da associação: www.abmra.org.br