Parceira: Agência Parceira RGB Comunicação

24/10/2017

Levantamento apontou, também, que gasto médio mensal com pets é de R$ 189

Da redação, com informações assessoria imprensa SPC Brasil

Foto: Banco de imagens

Uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) apontou que 61% dos entrevistados consideram o animal de estimação como membro da família.

O levantamento, que é inédito, foi feito com internautas de todas as capitais do País e revela, ainda, que o gasto médio com cada pet é de aproximadamente R$ 189 por mês. O valor sobe quando são considerados apenas os consumidores das classes A e B: R$ 224 por mês.

"A composição da cesta de compras dos donos de animais de estimação está mudando. É cada vez maior a demanda por cuidados especializados, além de produtos que atendem às características específicas dos animais. Moda e estética, alimentação saudável, hospedagem, atendimento em casa, exercícios físicos e saúde comportamental são algumas das áreas que deverão se desenvolver intensamente nos próximos anos", afirma Pellizzaro Junior, presidente da SPC Brasil.

Quase 77% dos usuários de internet no Brasil possuem animais de estimação, segundo a pesquisa. Num primeiro levantamento, foram ouvidos 796 consumidores, dos quais 610 disseram ter bichos em casa. Um segundo questionário, específico, foi aplicado para se descobrir as características desse público que gosta de animais. O nível de confiança das informações é de 95%.

Outros dados

Confira mais traços de comportamento apontados:

- 33% dos donos de animais admitem comprar itens que vão além do básico;

- 21% nunca deixam de comprar algo por falta de dinheiro;

- 52% compram exclusivamente ração premium, 37% dos animais tomam banho apenas em pet shops e 13% fazem tratamentos estéticos frequentemente;

- Os produtos mais adquiridos são rações (88%), shampoos e condicionadores (57%), petiscos (52%), medicamentos e vitaminas (50%) e brinquedos (44%);

- Entre produtos e serviços usados com mais frequência, estão vacinas (63%), idas ao veterinário (44%) e banhos em pet shops (37%). Tratamentos estéticos respondem por 13%, mesmo índice de gastos com passeadores de cachorros. Tratamentos dentários (9%), contra obesidade (8%), acompanhamento comportamental (8%), adestramento (7%) e idas a creches (7%) foram outros itens citados;

- Entre produtos e serviços que gostariam, mas não adquirem por falta de dinheiro, aparecem planos de saúde (33%), serviços de spa (23%), assinaturas mensais de caixas com brinquedos (20%) e idas frequentes ao veterinário (20%);

- 41% dos donos participam de eventos e comunidades do universo pet, por meio de redes sociais ou encontros presenciais;

- 53% fazem compras em pequenas lojas de seus bairros ou cidades. Outros 20% optam por grandes redes do ramo. Supermercados são citados por pouco mais de 16%. Preço, qualidade dos serviços e confiabilidade dos estabelecimentos são os principais fatores levados em consideração na hora da compra;

- 99% garantem cuidar da saúde de seus pets; 63% zelam pela higiene; 58% mantêm exames periódicos e vacinas em dia; 55% não oferecem alimentos não recomendados para animais; 51% procuram dar alimentação balanceada;

- 23% dos animais dormem no mesmo quarto dos donos;

- Só 8% associam os pets a gastos financeiros e 2% a problemas ou dores de cabeça;

- 46% preferem visitar lugares que permitem a presença de animais;

- Amor (61%), alegria (61%), companheirismo (59%) e amizade (52%) são os principais sentimentos despertados com a presença de animais em casa;

- Os aspectos negativos são: não ter com quem deixar o bicho quando viaja (53%) e sujeira em casa (47%);

- 50% dos donos de pets são mulheres e outros 50%, homens; 54% pertencem às classes C, D e E e 46% às classes A e B. A maioria tem entre 25 e 44 anos (58%) e mora em casas (77%). Os que moram em apartamentos somam 23%;

- Pouco mais da metade dos donos estão com seus atuais animais de estimação há mais de cinco anos (55%); os que ganharam de presente são 45%; os que resolvem adotar somam 42%, sendo que 27% desses tomaram essa atitude quando viram o animal abandonado ou perdido;

- Entre os que compraram o pet, as justificativas são desejo de ter uma raça específica (61%), saber as características de antemão (16%) ou por não encontrarem animais para adoção ou adequados ao perfil procurado (9%). Por outro lado, 45% dos que adotaram fizeram isso porque não concordam com a venda de animais.